Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um ENORME susto!

por Telha a telha..., em 24.12.13

Um enorme susto

- Vá, espreita! O que vês?
- Hum… Nada! Está tão escuro!
- Sai daí! Não fazes nada de jeito. Entro eu e vejo logo o que há aí.
O Luís saiu, todo corado, de dentro de um enorme saco de pano vermelho:
- Não vi mesmo nada! Nem nada apalpei! Acho que o saco está vazio.
- Como pode estar o saco vazio? Não vês todas estas saliências, umas mais altas, outras mais baixas, umas grandes, outras pequenas? – observou o Dinis.
- Mas não está lá nada. Acredita em mim! – choramingou o Luís.
- Chega-te para lá – disse o Dinis. – Agora vou eu para dentro do saco.
O Luís parecia preocupado:
- Despacha-te! Ele pode chegar a qualquer momento.
- És mesmo um lingrinhas.- E dito isto enfiou-se para dentro do saco. Primeiro desapareceu a cabeça, depois o pescoço, o tronco e os braços, as pernas… Até que mesmo os pés se deixaram de ver.
- Isto nunca mais tem fim! – exclamou ele. – Eh! Esqueci-me da lanterna… Anda cá, Luís! Dá-me a lanterna, por favor.
O Luís pegou na lanterna e enfiou a cabeça no saco. Esticou a mão que segurava aquela luz artificial para a entregar ao Dinis. De repente, sentiu um pontapé no traseiro e caiu para dentro do saco! Agora aquele saco encarnado parecia um túnel sem fim e os dois irmãos gritavam assustados enquanto desciam, desciam, desciam… Finalmente avistaram uma luz. Seria o fim do saco? Continuaram a escorregar até que foram cair dentro de um enorme caldeirão, com água, que estava numa enorme cozinha.
- Chegaram mais dois curiosos! Já temos jantar. – exclamou uma enorme mulher com um enorme mau hálito.
- Que bom, veio mesmo a calhar. Estou cá com uma larica…- disse o marido, também enorme.
Pois bem, os dois meninos tinham ido parar a uma cozinha de um casal de gigantes, cada um mais feio do que o outro.
O Dinis estava tão pálido que mais parecia uma múmia do Antigo Egipto e o Luís tremia tanto que lembrava uma gelatina!
- Vai buscar mais lenha, Manel, para que a água comece a ferver mais rapidamente.
- Vou já, Maria. Estou com tanta fome que até seria capaz de os comer assim, crus e tudo.
De repente, os meninos sentiram-se a ser sugados e foram puxados para dentro do saco. Foram subindo, subindo, até que viram uma luz. Seria a entrada do saco? Sim, era.
Quando deram por ela estavam os dois junto do saco de pano vermelho...
Ouviram então uma voz grossa de trovão que perguntou:
- Ainda querem entrar?
Nem responderam nem se viraram para ver quem era! Subiram escadas acima e enfiaram-se na cama, com os corações aos pulos.
E sabem uma coisa? É isto que acontece, ou outras coisas piores, a quem espreita para dentro do saco do Pai Natal…
…um enorme susto!

IG

 

BOAS FESTAS e... muito juizinho!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:59




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D